cursosB.I. International

Crise faz aumentar procura por cursos de qualificação

Por Carlos Martins.

Grande parte das escolas de negócio no Brasil perceberam que houve aumento na procura por seus programas. É uma reação bastante comum em momentos de crise na economia. Quem está empregado quer agregar valor ao currículo. Quem já foi demitido busca desenvolver competências, aumentar sua rede de relacionamentos e visibilidade no mercado.

As empresas também contribuem com esse movimento, aproveitando esses períodos de maior ociosidade para mandar funcionários para a escola. No entanto, especialistas indicam que o ideal é atuar de forma preventiva e não esperar a crise para tomar providências. Os profissionais devem se atualizar permanentemente para não ficar suscetível às oscilações do mercado.

A alta taxa de juros brasileira tem forçado a indústria a desacelerar a produção, o que provoca diminuição do número de postos de trabalho. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a taxa de desemprego no Brasil deve continuar crescendo e os salários sofrendo redução até o final de 2016.

A instabilidade na economia força a reavaliação de funções e qualificações dos candidatos que buscam ingressar ou voltar ao mercado de trabalho. As companhias normalmente buscam funcionários que demonstrem interesse, comprometimento, proatividade e produtividade, independentemente de idade ou de quanto tempo está fora do mercado.

Pesquisa realizada pela Manager Empregos, site de recursos humanos de São Paulo, com 132 profissionais de RH e mais de mil funcionários de empresas privadas de diversos setores, mostra que quase 22% dos candidatos a emprego são desclassificados por falta de conhecimento técnico. De acordo com o relatório, ter mais anos de estudo aumenta em 85% as chances de contratação.

É muito importante, portanto, que os profissionais busquem desenvolver competências essenciais na sua área de atuação, fazendo autoavaliação, percebendo quais aspectos precisam ser melhorados e investindo na qualificação. Dessa forma tendem a ficar menos suscetíveis às oscilações do mercado.